Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Evangelho do Dia



EVANGELHO COTIDIANO


"Senhor, a quem iremos? Tu tens palavras de vida eterna". João 6, 68


2º Domingo da Quaresma

Evangelho segundo S. Lucas 9,28b-36. 

Naquele tempo, Jesus tomou consigo Pedro, João e Tiago e subiu ao monte, para orar.
Enquanto orava, alterou-se o espeto do seu rosto, e as suas vestes ficaram de uma brancura refulgente. 
Dois homens falavam com Ele: eram Moisés e Elias,  que, tendo aparecido em glória, falavam da morte de Jesus, que ia consumar-se em Jerusalém. 
Pedro e os companheiros estavam a cair de sono; mas, despertando, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com Ele. 

Quando estes se iam afastando, Pedro disse a Jesus: «Mestre, como é bom estarmos aqui! Façamos três tendas: uma para Ti, outra para Moisés e outra para Elias». Não sabia o que estava a dizer. 
Enquanto assim falava, veio uma nuvem que os cobriu com a sua sombra; e eles ficaram cheios de medo, ao entrarem na nuvem.
Da nuvem saiu uma voz, que dizia: «Este é o meu Filho, o meu Eleito: escutai-O». 
 
Quando a voz se fez ouvir, Jesus ficou sozinho. Os discípulos guardaram silêncio e, naqueles dias, a ninguém contaram nada do que tinham visto.


Comentário do dia:  Teófanes de Cerameia (século XII), monge de São Basílio
Homilia sobre a Transfiguração
«Então os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai» (Mt 13,43)

Aproximava-se a hora da Paixão. […] Nesse momento os discípulos não deviam estar com o espírito abalado; não devia acontecer que aqueles que, pouco antes, tinham confessado pela voz de Pedro que Ele era o filho de Deus (Mt 16,16) acreditassem, vendo-O pregado na cruz como um culpado, que Ele era um simples homem. Foi por isso que Ele os fortaleceu com esta visão admirável.

Assim, quando O vissem traído, em agonia, implorando que Lhe fosse afastado o cálice da morte e arrastado ao tribunal do sumo sacerdote, lembrar-se-iam da subida ao Tabor e compreenderiam que era por sua livre vontade que Se entregava à morte. […] Quando vissem os golpes e os escarros na sua face, não se escandalizariam, relembrando-se do seu brilho que ultrapassava o do sol. Quando O vissem revestido pelo escárnio do manto escarlate, lembrar-se-iam de que esse mesmo Jesus estivera vestido de luz no monte. Quando O vissem crucificado na cruz entre dois malfeitores, lembrar-se-iam de que Ele tinha aparecido entre Moisés e Elias como o seu Senhor. Quando O vissem sepultado na terra como um morto, pensariam na nuvem luminosa que O envolvera.

Aqui está pois um motivo para a Transfiguração. E talvez haja outro: o Senhor exortava os seus discípulos a não tentarem economizar a sua própria vida, dizendo-lhes: «Se alguém quiser vir após Mim, renegue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me» (Mt 16,24). Mas renunciar a si mesmo e ir ao encontro de uma morte vergonhosa é uma coisa difícil; é por isso que o Salvador mostra aos seus discípulos qual o tipo de glória de que serão julgados dignos os que imitarem a sua Paixão. Com efeito a Transfiguração não é senão a manifestação por adiantamento do último dia, onde «os justos resplandecerão como o sol, no reino de seu Pai» (Mt 13,43).

Nenhum comentário: