Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

'Sou um simples peregrino iniciando a última parte de sua jornada', diz Bento XVI



Papa Bento XVI deixa o Vaticano

Joseph Ratzinger chega de helicóptero a Castelgandolfo, onde permanecerá nos próximos dois meses

Sinos começaram a tocar quando o helicóptero fechou as portas
Após dois dias de uma emocionante e tradicional despedida, o Papa Bento XVI deixou o Vaticano na tarde desta quinta-feira com sinos soando por toda a capital italiana. Joseph Ratzinger partiu de helicóptero em direção a Castelgandolfo, ao sul de Roma, onde passará os primeiros dias após sua renúncia anunciada em meados de fevereiro. Ele foi acolhido por fiéis, que levaram cartazes de gratidão e homenagem em seus últimos momentos como líder da Igreja Católica. Da sacada, ele disse ser um “simples peregrino” e anunciou que depois das 20h (16h no Brasil) não será mais Pontífice. Bento XVI agradeceu o amor e afeto do público e afirmou que vai trabalhar pelo bem da Igreja. Esta foi provavelmente a última aparição pública de Ratzinger como Papa. 
Não sou mais Pontífice, sou um simples peregrino que está iniciando a última etapa de sua jornada. Desejo trabalhar com minha oração e com toda minha força interior e moral pelo bem da Igreja - disse. - Estou feliz de estar com vocês. Obrigado pela vossa amizade e vossa fé.

VÍDEO DA DESPEDIDA DO PAPA

 

  Video da chegada do Papa a Castelgandolfo

Ainda no Vaticano, um grupo de cardeais, bispos, sacerdotes, monges e funcionários da Santa Sé acompanhou a saída do Papa, saudado com fortes aplausos ao deixar o Palácio Apostólico. Entre lágrimas e sorrisos, fiéis, turistas e curiosos assistiram à despedida por telão e também aplaudiram o líder da Igreja Católica.

Ratzinger foi acompanhado por seu secretário pessoal, Georg Gänswein, em um trajeto que durou cerca de cinco minutos de carro até o heliporto do Vaticano, onde foi saudado pela guarda suíça. Sinos do Vaticano e de todas as Igrejas de Roma começaram a tocar, enquanto as portas do helicóptero da Força Aérea italiana se fechavam.

Pelo Twitter, o Pontífice se despediu dos fiéis, provavelmente sua última mensagem antes que seu perfil seja desativado: “Obrigado por vosso amor e proximidade. Que experimentem sempre a alegria de ter Cristo como o centro de vossas vidas”, escreveu Bento XVI, o primeiro Papa a criar uma conta nas redes sociais. Mais cedo, ele se reuniu com cerca de cem cardeais para cumprimentá-los, receber homenagens e participar do tradicional ritual de “beija-mão”. Às 20h (16h no Brasil), começa o período de Sé Vacante, quando a Igreja Católica ficará sem um Papa e será governada pelo Camerlengo, o cardeal italiano Tarcisio Bertone.

Clique aqui para GALERIA‘ÚLTIMO DIA DO PAPA BENTO XVI NO VATICANO’

Ato de coragem a favor da Igreja



A renúncia de Bento XVI provoca um terremoto e cria condições para se revigorar uma instituição vergada sob o peso de escândalos
A notícia da renúncia de Bento XVI ao papado assombrou o mundo: o último a fazê-lo tinha sido Gregório XII, em 1415, há quase 600 anos. O motivo alegado foi o envelhecimento do Pontífice que, aos 85 anos, já não teria o vigor físico e espiritual para a tarefa de governar o Vaticano e comandar a Igreja Católica em crise, com seus mais de 1 bilhão de seguidores. 

A muitos que se recordam do prolongado calvário de um João Paulo II doente no período final de seu longo papado, o ato de Bento XVI pode ter parecido como de fraqueza e de fracasso.
Em sua última audiência pública, ontem, ele explicou a decisão: “Senti que meus poderes foram diminuindo. E pedi ao Senhor insistentemente, em oração, que me iluminasse (...) para fazer-me tomar a decisão acertada, não para o meu bem, mas para o bem da Igreja.” Sua trajetória à frente da Igreja, iniciada em 2005, teve, afirmou, “momentos de alegria e luz, mas também momentos que não foram fáceis”, quando parecia que “Deus estava dormindo.”

A impressão inicial do Papa alemão disciplinador foi sendo substituída por uma de impotência diante das tempestades que assolam a barca de Pedro e das divisões de sua tripulação. A imagem do “rottweiler de Deus”, adquirida pelo cardeal Ratzinger como prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé (a antiga Inquisição), foi-se desidratando à medida que o Papa Bento XVI enfrentava a dura realidade terrena da Igreja Católica. Segundo o próprio jornal do Vaticano, “L’Osservatore Romano”, era “um pastor rodeado de lobos”.

Em artigo no “El Pais”, o escritor prêmio Nobel peruano Vargas Llosa disse ter tocado ao Papa alemão “um dos períodos mais difíceis dos mais de dois mil anos de História do cristianismo. A secularização da sociedade avança à grande velocidade (...), o que se agravou com os grandes escândalos de pedofilia (...), assim como as acusações de lavagem de dinheiro e corrupção que afetam o Banco do Vaticano. (...) Ninguém pode negar que Bento XVI respondeu a esses desafios com valentia e decisão, embora sem êxito.”

Aquele que hoje amanhece como Papa emérito não tem o perfil de gestor ou de administrador. Antes, no dizer de Vargas Llosa, “é um homem de biblioteca e de cátedra, de reflexão e de estudo, seguramente um dos Pontífices mais inteligentes e cultos que teve em toda a História a Igreja Católica.” Sem dúvida.

Este homem sofreu e tomou uma decisão corajosa para provocar um terremoto capaz de sacudir as estruturas distorcidas que se foram criando no Vaticano nos últimos tempos. Preferiu isso a permitir que uma longa senilidade do Papa servisse de estímulo ao agravamento da crise em que se destilam intrigas e se travam lutas pelo poder nada edificantes. O exemplo de Bento XVI precisa pairar sobre o conclave que escolherá seu substituto.

‘Prometo minha incondicional obediência e reverência ao futuro Papa’ - Bento XVI se reúne com cardeais no último dia como chefe da Igreja

No dia da renúncia, Bento XVI promete 'incondicional obediência' ao futuro Papa
No último dia como chefe da Igreja, o Papa Bento XVI se reuniu com cerca de 100 cardeais no Vaticano para o tradicional ritual de "beija-mão". No final da tarde desta sexta-feira, o religioso se despede da liderança da Igreja Católica, após anunciar sua renúncia em meados de fevereiro. No evento, ele conversou com colegas, sorriu em vários momentos e prometeu incondicional obediência ao próximo Papa e desejou que o religioso seja iluminado. 
- Continuarei com vocês nos próximos dias. Prometo desde já minha incondicional obediência e reverência ao futuro Papa. Que o senhor mostra aquele que Ele deseja - afirmou o Papa Bento XVI.

Na introdução da cerimônia, o cardeal Angelo Sodano agradeceu o empenho do Pontífice pelo bem da Igreja e disse que "cumpriu-se um tempo de Deus". - Gostaria de agradecer, as mesmas palavras comoventes que expressou ao povo sua Vossa Santidade, e que hoje se prepara para nos deixar. Cumpriu-se um tempo de Deus, com o advento de novos céus e novas terras, revivendo a experiência dos discípulos - afirmou Sodano.

A maior parte dos cardeais presentes no evento chegou recentemente ao Vaticano para participar do conclave que vai eleger o sucessor de Bento XVI. A cerimônia ainda não tem data marcada, mas deve ser iniciada na primeira metade do mês de março. Após cumprimentar os cardeais, o Pontífice deve retornar a seu apartamento para preparar sua viagem a Castelgandolfo, residência de verão dos Papas católicos região do Lácio, na Itália. Ele permanecerá no local por dois meses e depois deve se mudar para um convento de clausura. 

A último dia do papado de Bento XVI será meticulosamente regrado. Às 16h55, Bento XVI receberá as honras de um piquete da Guarda Suíça no pátio de São Damaso. Ele irá se despedir do Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, do decano do Colégio Cardinalício, cardeal Angelo Sodano e outros colaboradores, no heliporto, de onde partirá para sua viagem.

Em sua chegada a Castelgandolfo, às 17h15, o Papa será acolhido pelo Cardeal Giuseppe Bertello, presidente do governo do Estado da Cidade do Vaticano. Em seguida, Bento XVI fará uma saudação aos fiéis, do balcão do Palácio Apostólico de Castelgandolfo. Às 20h, começa o período de Sé Vacante, quando a Igreja Católica ficará sem um Papa.

Nota dos editores do Blog Catolicismo: Toda a imprensa faz uma especulação exagerada sobre quem será eleito papa e sobre o comportamento de Sua Santidade Bento XVI em relação ao seu sucessor.

Entendemos ser DEVER de todo católico considerar que:
- durante o conclave para eleição de um novo papa,  os cardeais estão sob orientação direta do Divino Espírito Santo, não havendo espaço para politicagem, indução de voto e outras práticas da política profana;

- quanto a postura que o Papa Bento XVI  vai adotar em relação ao seu sucessor, cabe ter em conta que estamos tratando da sucessão do líder da Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo e com isso não há espaço para interferencia do Papa Emérito - não podemos, nem devemos, jamais, sequer supor que Bento XVI  adotará o inconveniente comportamento usado pelo ex-presidente do Brasil, Lula da Silva, em relação a sua sucessora.

28 de fevereiro - Santo do dia

Santos Romão e Lupicino

Nascido no ano 390, o monge Romão era discípulo de um dos primeiros mosteiros do Ocidente, o de Ainay, próximo a Lion, na França. No século IV, quando nascia a vida monástica no Ocidente, com o intuito de propiciar elementos para a perfeição espiritual assim como para a evolução do progresso, ele se tornou um dos primeiro monges franceses.

Romão achava as regras do mosteiro muito brandas. Então, com apenas uma Bíblia, o que para ele era o indispensável para viver, sumiu por entre os montes desertos dos arredores da cidade. Ele só foi localizado por seu irmão Lupicino, depois de alguns anos. Romão tinha se tornado um monge completamente solitário e vivia naquelas montanhas que fazem a fronteira da França com a Suíça. Aceitou o irmão como seu aluno e seguidor, apesar de possuírem temperamentos opostos.


A eles se juntaram muitos outros que desejavam ser eremitas. Por isso teve de fundar dois mosteiros masculinos, um em Condat e outro em Lancome. Depois construiu um de clausura, feminino, em Beaume, no qual Romano colocou como abadessa sua irmã. Os três ficaram sob as mesmas e severas regras disciplinares, como Romão achava que seria correto para a vida das comunidades monásticas. Romão e Lupicino se dividiam entre os dois mosteiros masculinos na orientação espiritual, enquanto no mosteiro de Beaume, Romão mantinha contato com a abadessa sua irmã, orientando-a pessoalmente na vida espiritual.


Consta nos registros da Igreja que, durante uma viagem de Romão ao túmulo de São Maurício, em Genebra, ele e um discípulo que o acompanhava, depois também venerado pela Igreja, chamado Pelade, tiveram de ficar hospedados numa choupana onde havia dois leprosos. Romano os abraçou, solidarizou-se com eles e, na manhã seguinte, os dois estavam curados.


A tradição, que a Igreja mantém, nos narra que este foi apenas o começo de uma viagem cheia de prodígios e milagres. Depois, voltando dessa peregrinação, Romão viveu recluso, na cela de seu mosteiro e se reencontrou na ansiada solidão. Assim ele morreu, antes de seu irmão e irmã, aos 73 anos de idade, no dia 28 de fevereiro de 463.


O culto de São Romão propagou-se velozmente na França, Suíça, Bélgica, Itália, enfim por toda a Europa. As graças e prodígios que ocorreram por sua intercessão são numerosos e continuam a ocorrer, segundo os fieis que mantêm sua devoção ainda muito viva, nos nossos dias. 


São Romão entrou para a vida religiosa com 35 anos, na França, onde nasceram os dois santos de hoje. Ele foi discernindo sua vocação, que o deixava inquieto, apesar de já estar na vida religiosa. Ao tomar as constituições de Cassiano e também o testemunho dos Padres do deserto, deixou o convento e foi peregrinar, procurando o lugar onde Deus o queria vivendo.

Indo para o Leste, encontrou uma natureza distante de todos e percebeu que Deus o queria ali. Vivia os trabalhos manuais, a oração e a leitura, até o seu irmão Lupicino, então viúvo, se unir a ele. Fundaram então um novo Mosteiro, que se baseava nas regras de São Pacômio, São Basílio e Cassiano.

Romão tinha um temperamento e caminhada espiritual onde com facilidade era dado à misericórdia, à compreensão e tolerância. Lupicino era justiça e intolerância. Nas diferenças, os irmãos se completavam, e ajudavam aos irmãos da comunidade, que a santidade se dá nessa conjugação: amor, justiça, misericórdia, verdade, inspiração, transpiração, severidade, compreensão. Eles eram iguais na busca da santidade.

O Bispo Santo Hilário ordenou Romão, que faleceu em 463. E em 480 vai para a glória São Lupicino.

Santos Romão e Lupicino, rogai por nós!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

A íntegra do discurso de Bento XVI em última audiência geral como Papa



Em parte em português, o Pontífice reforçou que sabe da gravidade da renúncia, mas que deu o passo com plena serenidade
O Papa Bento XVI realizou nesta quarta-feira sua última audiência geral como o líder da Igreja Católica, emocionando milhares de fiéis presentes na Praça São Pedro, no Vaticano. O Sumo Pontífice decidiu não fazer vários discursos traduzidos, mas dividir seu pronunciamento em várias línguas. Confira na íntegra o discurso do Papa em português:

“Queridos irmãos e irmãs,
No dia 19 de abril de 2005, quando abracei o ministério petrino, disse ao Senhor: ‘É um peso grande que colocais aos meus ombros!’ Mas, se mo pedis, confiado na Vossa palavra, lançarei as redes, seguro de que me guiareis. E, nestes quase oito anos, sempre senti que, na barca, está o Senhor; e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas do Senhor.
Entretanto não é só a Deus que quero agradecer neste momento. Um Papa não está sozinho na condução da barca de Pedro, embora lhe caiba a primeira responsabilidade; e o Senhor colocou ao meu lado muitas pessoas que me ajudaram e sustentaram. Porém, sentindo que as minhas forças tinham diminuído, pedi a Deus com insistência que me iluminasse com a sua luz para tomar a decisão mais justa, não para o meu bem, mas para o bem da Igreja. Dei este passo com plena consciência da sua gravidade e inovação, mas com uma profunda serenidade de espírito.”
Na parte mais desenvolvida, em italiano, Bento XVI convidou todos a renovarem a sua confiança no Senhor “como crianças nos braços de Deus, na certeza de que esses braços sempre nos sustentam, permitindo-nos caminhar dia após dia, apesar da fadiga”.
“Agradeçamos ao Senhor por cada um dos nossos dias, com a oração e com uma vida cristã coerente. Deus ama-nos, mas espera também que nós o amemos!”, disse o Sumo Pontífice. “Nas visitas pastorais, nos encontros, nas audiências, nas viagens, sempre recebi grande atenção e profundo afeto; mas também eu quis bem a todos e a cada um, sem distinções, com aquela caridade pastoral que é o coração de cada Pastor, sobretudo do Bispo de Roma, do Sucessor do Apóstolo Pedro. Cada dia levei na oração cada um de vós, com coração de pai”.

Papa Bento XVI acena na entrada de sua última audiência como líder da Igreja Católica ALESSANDRO BIANCHI / REUTERS

Bento XVI agradeceu também às pessoas de todo o mundo que nas últimas semanas lhe enviaram “comoventes sinais de atenção, amizade e oração”.
“Sim, o Papa nunca está só, experimento-o agora uma vez mais, de um modo tão grande que toca o coração. O Papa pertence a todos, e tantíssimas pessoas sentem-se muito perto dele”, ressaltou. “Escrevem como irmãos e irmãs ou como filhos e filhas, com o sentido de um elo familiar muito afetuoso. Aqui se pode tocar com a mão o que é a Igreja – não uma organização, não uma associação com fins religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo, uma comunhão de irmãos e irmãs no Corpo de Jesus Cristo, que nos une a todos. 
Experimentar a Igreja neste modo e poder assim com que poder tocar com as mãos a força da sua verdade e do seu amor, é motivo de alegria, num tempo em que tantos falam do seu declínio.”
“Nestes últimos meses senti que as minhas forças tinham diminuído (confessou Bento XVI), e pedi a Deus com insistência, na oração, que me iluminasse com a sua luz para me fazer tomar a decisão mais justa, não para o meu bem, mas para o bem da Igreja.”
“Dei este passo na plena consciência da sua gravidade e também novidade, mas com uma profunda serenidade de espírito. Amar a Igreja significa também ter a coragem de fazer escolhas difíceis, dolorosas, tendo sempre presente o bem da Igreja, e não nós próprios.”

Principais dúvidas sobre Bento XVI

Roupas, assessores e residência: como será a vida do Papa Emérito
A partir deste dia 28 de fevereiro, Bento XVI passa a ser conhecido como Papa Emérito e deverá se recolher à residência de Castelgandolfo, ao sul de Roma, e depois ao Mosteiro Mater Ecclesiae, dentro dos muros do Vaticano. A seguir, as perguntas mais frequentes sobre os passos do Pontífice, de acordo com a CNBB.

Quem vai assessorar Bento XVI após a renúncia?
Quer em Castelgandolfo, quer no Mosteiro Mater Ecclesiae, Bento XVI será acompanhado por dom Georg Gaenswein, seu secretário particular, e por um pequeno grupo de assistentes. Seguirão também as Memores, grupo de mulheres consagradas, membros da família pontifícia, que auxiliam o Papa nas necessidades regulares de casa.

Bento XVI vai aparecer ao público após a renúncia?
Não estão previstas aparições após 28 de fevereiro. Ele deverá deixar o Vaticano de helicóptero às 17h do dia 28. Cerca de 15 minutos depois, chegará a Castelgandolfo onde deverá saudar os vizinhos e visitantes do balcão da fachada principal. Deverá ser a sua última aparição pública.

Qual será o nome do Papa após deixar o Pontificado?
Continuará a chamar-se Sua Santidade Bento XVI. Seu título será Papa Emérito ou Romano Pontífice Emérito.

Como ele deverá se vestir?
Bento XVI deverá continuar a usar vestes brancas, mas deve trocar os sapatos vermelhos por outros marrons, doados por artesãos mexicanos. O Anel de Pescador, símbolo do poder papal, será destruído - como acontece em caso de morte do pontífice.

Onde Bento XVI vai morar após a renúncia?
Ele deverá residir em Castelgandolfo de 28 de fevereiro até o final de abril ou início de maio. Poderá ficar no aposento pontifício, pois este não foi lacrado, como ocorre quando morre um papa. Depois de Castelgandolfo, Bento XVI residirá no Mosteiro Mater Ecclesia, no Vaticano, reformado nos últimos meses para abrigá-lo. Os trabalhos de reforma foram iniciados em novembro de 2012 e serão concluídos nos próximos meses.

Onde fica Castelgandolfo?
Fica  30 quilômetros ao sul de Roma, à beira do Lago Albano. A residência foi mandada construir em 1626 pelo Papa Urbano VIII como residência de campo para passar o verão. Desde a sua construção, a Igreja já teve 31 papas, sendo que apenas 15 fizeram uso da residência em algum momento. Bento XVI, nos seus quase oito anos de pontificado, passou longas temporadas no local, onde escreveu parte da trilogia “Jesus de Nazaré”.
Durante a II Guerra Mundial, os aposentos onde ficará Bento XVI foram transformados numa maternidade, onde nasceram 50 crianças, filhas de italianos que ali se refugiavam. Os pais das crianças, como forma de agradecimento ao Papa Pio XII (Eugenio Pacelli), batizaram as crianças como Eugenio ou Pio.

Clique aqui para GALERIA trajetória deBento XVI 


Durante seu último pronunciamento ao público antes da renúncia, o papa Bento XVI, de 85 anos, mencionou, nesta quarta-feira (27) "as águas agitadas" que marcaram os oito anos de seu pontificado e advertiu que "Deus não deixará que a Igreja afunde", diante de mais de 100 mil pessoas na Praça de São Pedro.
 
"Estou realmente emocionado e vejo uma Igreja viva", disse o papa, sendo ovacionado pela multidão. "O Senhor nos deu muitos dias de sol e ligeira brisa, dias nos quais a pesca foi abundante, mas também momentos nos quais as águas estiveram muito agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja e o Senhor." 

Ele voltou a afirmar que sua renúncia, anunciada em 11 de fevereiro, foi decidida "não para seu bem, mas para o bem da Igreja", e reiterou que sabe "da gravidade e da novidade" da decisão que tomou. "Amar a Igreja significa também ter a valentia de tomar decisões difíceis, tendo sempre presente o bem da Igreja, e não o de si próprio", disse, sendo aplaudido, inclusive de pé, por cardeais e bispos, além do público. “Ter coragem de fazer escolhas difíceis é ter sempre dentro de si o bem da Igreja”, acrescentou. 

Bento XVI, justificou a decisão de renunciar, alegando que suas “forças tinham diminuído”, nos últimos meses. Também disse que um papa nunca “está sozinho” e agradeceu a cada um que o apoiou, nos oito anos de pontificado. Segundo Bento XVI, sua atitude foi consciente e baseada na coragem de tomar “decisões difíceis”. 

O Pontífice afirmou que "não vai abandonar a Cruz" e que, pela oração, vai continuar a serviço da Igreja. "Minha decisão de renunciar ao ministério petrino não revoga a decisão que tomei em 19 de abril de 2006 (ao ser eleito Papa)", disse. "Não abandono a cruz, sigo de uma nova maneira com o Senhor Crucificado, sigo a seu serviço no recinto de São Pedro", completou.

Bento XVI também pediu que os fiéis orem pelos cardeais que, após a renúncia, terão de eleger seu sucessor, em uma tarefa que ele considera difícil. "Orem pelo meu sucessor! Que Deus os acompanhe",disse o papa.

Ao mencionar as atribuições do pontificado, Bento XVI destacou que a Igreja Católica Apostólica Romana não está representada apenas em uma pessoa, no papa, mas pertence a Deus. “Sempre soube que o barco da Igreja não é meu, não é nosso, é Dele [de Deus]”, disse.

O papa lembrou que, quando foi eleito, em 19 de abril de 2005, sentiu “um peso sobre os ombros”, mas pediu luz a Deus. “Aceitei e sempre tive a certeza de que Ele me acompanhou. [Na ocasião], disse: 'Senhor, por que me pedes isso? É um peso grande sobre os meus ombros, aceitarei apesar de todas as minhas fraquezas'”, disse Bento XVI, na celebração.

Ao analisar a vida no pontificado, Bento XVI disse que um papa nunca está sozinho. “O papa pertence a todos”, ressaltou. “Um papa não está sozinho no barco de Pedro, mesmo que seja sua primeira responsabilidade. Eu nunca me senti sozinho.” 

Bento XVI lembrou que um cardeal, ao ser escolhido papa, perde sua privacidade e disse que, ao renunciar, ele não voltará à vida que mantinha antes do pontificado. “Quando se está empenhado é para sempre o Ministério Petrino [o pontificado]. Quem assume o Ministério Petrino perde a privacidade”, disse. “Recebe-se a vida quando perde-se a vida.”

Cerimônia
A cerimônia da renúncia segue nesta quinta-feira, quando Bento XVI deixará o Palácio Pontifício do Vaticano às 16h55 de Roma (12h55 de Brasília) do dia 28. Acompanhado do Secretário de Estado, o cardeal Bertone, ele irá ao heliporto do Vaticano, de onde viajará de helicóptero até Castelgandolfo, 30 km ao sul de Roma.

No heliporto da Vila Pontifícia, Bento XVI será recebido pelas autoridades civis e religiosas locais e, por volta das 17h30 locais (13h30 de Brasília), irá ao pórtico da residência de verão dos pontífices para saudar os fiéis daquela diocese.

Este será o último ato público do Papa, e o único sinal visível que anunciará que Bento XVI já não é mais papa será dado às 20h locais, quando a Guarda Suíça que presta guarda na porta do palácio de Castelgandolfo concluirá seu serviço e deixará o local. A partir desse momento, a Guarda Suíça deixará de prestar serviço a Ratzinger (que adotará o título “Papa emérito”), cuja segurança continuará garantida pela Gendarmaria Vaticana.
Findo o processo da renúncia, começa o da sucessão. No dia 1º de março, já em plena Sé Vacante - o período entre o falecimento ou renúncia de um papa até que seja eleito o sucessor -, o decano do Colégio Cardinalício, o cardeal Angelo Sodano, convocará os cardeais às reuniões preparatórias do Conclave, cuja data será decidida nos próximos dias. Visto que o dia 1º é sexta-feira, o mais provável é que a primeira congregação de cardeais aconteça no dia 4, na semana seguinte.

Em sua última audiência, Bento XVI fala dos problemas: ' O Senhor parecia estar dormindo'


Bento XVI: 'A Igreja Católica está viva'
Falando à multidão, o Sumo Pontífice exortou os católicos à fé e pediu que orassem "pelos cardeais e pelo próximo sucessor de Pedro"
Em sua última audiência pública, o Papa exortou os católicos à fé e disse que aqueles que abraçam o ministério abrem mão da vida privada
'Não abandono a cruz', disse Pontífice
Cerca de até 2 mil policiais garantem a segurança na praça do Vaticano

 ‘PRAÇA SÃO PEDRO’

 

Foi possivelmente sua maior audiência pública como Papa - e a última. Diante de aproximadamente 200 mil pessoas e com aspecto sereno, Bento XVI pediu aos fiéis presentes na Praça São Pedro e que acompanhavam o evento pela mídia que orem pelos cardeais e pelo sucessor ao Trono de Pedro. Ele reconheceu "a gravidade e raridade de sua decisão". Comovido ao olhar a multidão, ele sorriu e disse que a Igreja Católica continua viva.
- Estou comovido, vejo que a Igreja está viva - disse o Pontífice, após reconhecer que seu pontificado teve momentos difíceis. - Muito obrigado por terem vindo a essa minha última audiência pública. Agradeço a todos pelo apoio a essa decisão que tomei com plena liberdade. Nesse ano de fé, convido a todos a renovar a suas crenças. 



Bento XVI optou não por fazer o mesmo discurso em várias traduções, mas sim dividir o texto em diferentes línguas. Segundo analistas, o objetivo do Pontífice seria fazer um pronunciamento de caráter coletivo. Na véspera da efetivação da sua renúncia, ele disse que seu pontificado teve momentos de alegria, mas também de dificuldades, quando "parecia que o Senhor estava dormindo".

- Durante esse oito anos, sempre senti que na barca de São Pedro estava o Senhor. Sempre senti que a barca não era minha, não era nossa, mas sim do Pai. O Senhor colocou ao meu lado muitas pessoas que me ajudaram e me sustentaram. Mas quando senti que as minhas forças tinham diminuído, pedi ao Senhor que me iluminasse para que eu tomasse a decisão mais justa - disse Bento XVI, em português. - Agradeço também a todos os fiéis de língua portuguesa. Envio a todos a benção apostólica. Obrigado.
O Papa acrescentou que "houve momentos em que as águas estavam agitadas, e havia ventos de proa". Ele também reforçou que não pretende voltar à vida privada, sem encontros ou conferências. Segundo ele, sua meta é continuar servindo à Santa Sé. - Minha decisão de renunciar ao ministério petrino não revoga a minha decisão de 19 de abril de 2005 (quando foi eleito e aceitou a ser o Papa). Não regresso à vida privada, a uma vida de viagens, encontros, conferências. Não abandono a cruz, sigo um novo caminho com o Senhor Crucificado. Sigo a serviço do recinto de São Pedro.

Enquanto isso, o Twitter do Papa (@pontifex) divulgou uma mensagem na qual o religioso exorta os fiéis a sentirem a alegria de serem cristãos. "Queria que cada um sentisse a alegria de ser cristão, de ser amado por Deus, que entregou o Seu Filho por nós", diz o post.
Os fiéis se espalhavam até o outro lado do Rio Tibre e em ruas próximas. Muitos seguravam cartazes agradecendo ao papa e lhe desejando boa sorte. "Estamos todos ao seu lado", dizia um deles.

Ao final da cerimônia, o Sumo Pontífice cantou com os milhares de fiéis a oração do Pai Nosso, acompanhado de um coro de religiosos e um órgão. Ao sair da plataforma que foi montada para o evento, Bento XVI foi intensamente aplaudido pela multidão e acenou com sorrisos de dentro do papamóvel. Ele parou seu percurso diversas vezes para beijar crianças.
Há dias, a Praça de São Pedro e seus arredores se preparavam para receber até 200 mil peregrinos nesta quarta-feira. Na quinta-feira, o Pontífice irá oficializar a renúncia e se mudar da Cidade do Vaticano para Castelgandolfo, onde residirá os próximos dois meses.
Em meio a uma megaoperação de segurança, participaram do evento personalidades da Itália e do mundo, além de todo o corpo de diplomático da Santa Sé. Um total de até 2 mil policiais estão presentes na Praça de São Pedro, entre guardas uniformizados, oficiais à paisana dispersos no meio da multidão, um esquadrão antibomba e atiradores posicionados no teto de edifícios. Estas precauções também aboliram o tradicional “beija-mão” no fim da audiência.

As autoridades de Roma também se prepararam para que a peregrinação de fiéis ao Vaticano não atrapalhasse a rotina da capital italiana. O metrô opera em plena capacidade, e as linhas de ônibus com pontos mais próximos à Praça de São Pedro receberam o reforço de mais 30 veículos.

Anel do Pescador de Bento XVI será destruído
Bento XVI também vai se desfazer de seu Anel do Pescador - outro símbolo reservado ao Papa que comanda o Vaticano. O anel deverá ser destruído, como manda a tradição da Igreja. Joseph Ratzinger usará outro anel, cujos detalhes não foram divulgados. Finalmente, decidiu-se que ele continuará usando a roupa branca, mas mais simples que a atual, sem a manta.

O Vaticano também divulgou detalhes dos últimos momentos do Papa demissionário. Na terça-feira, ele separou os documentos que serão enviados para os diversos arquivos do Vaticano, além de seus próprios estudos, que levará com ele para sua nova residência.

Cardeais serão convocados a partir de segunda-feira
Após a saída de Bento XVI, inicia o período chamado pelo Vaticano de Sé Vacante - aquele onde a Igreja Católica não tem um chefe de Estado, e todas as decisões importantes são suspensas. O Vaticano é governado pelo Colégio dos Cardeais.

Somente a partir de segunda-feira os cardeais serão oficialmente convocados a Roma para a escolha do novo Pontífice. O comunicado é feito por e-mail, mas os clérigos receberão também uma cópia impressa do documento, para que possam guardá-la. Só então o Colégio dos Cardeais estabelecerá a data em que começará o conclave.
Os religiosos somente ficarão hospedados na Casa de Santa Martha, seu alojamento durante a eleição papal, “quase na véspera do conclave”, segundo o Vaticano. As televisões e telefones estão sendo desconectados, e uma equipe faz a varredura em busca de dispositivos de escuta.