Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Papa Francisco declara que aborto evidencia a “cultura do descarte” e Vaticano nega que Papa seja aberto ao reconhecimento da união gay



‘Causa horror apenas pensar nas crianças que nunca poderão ver a luz’, diz Francisco
Depois de surpreender o mundo ao batizar o filho de uma mãe solteira, no domingo, o Papa Francisco fez um aceno aos conservadores em uma crítica contundente ao aborto nesta segunda-feira. Em seu discurso ao corpo diplomático credenciado no Vaticano, o Pontífice afirmou que “causa horror apenas pensar nas crianças que nunca poderão ver a luz, vítimas do aborto”. O Papa já havia expressado a rejeição ao aborto em sua primeira exortação apostólica, em 26 de novembro, mas na época pediu à Igreja para “acompanhar” às mulheres que recorreram a essa prática pressionadas por situações duras como o estupro e a pobreza extrema. 

Nesta segunda, Francisco voltou a denunciar a quantidade de alimentos que se desperdiça a cada dia em muitas partes do mundo e a cultura do descarte. - Infelizmente, não são objeto de descarte apenas os alimentos e os bens supérfluos, mas com frequência os próprios seres humanos, que são descartados como se fossem coisas desnecessárias.

O Papa também pediu maior respeito aos imigrantes e denunciou a perseguição dos cristãos na Ásia, África e Oriente Médio.

Igreja rejeitou interpretação da mídia italiana sobre comentários do pontífice que deixaram a impressão de ser o Papa favorável ao reconhecimento da aberração conhecida como “união gay”
O Vaticano negou reportagens da mídia italiana que os recentes comentários do Papa Francisco sinalizavam a sua abertura para o reconhecimento legal de uniões do mesmo sexo na Itália.

Francisco, durante uma conversa com líderes de ordens religiosas, publicada por um jornal Jesuíta na sexta-feira, disse que a Igreja Católica tinha que tentar não afastar as crianças que vivem em situações familiares complexas, como aquelas cujos pais são separados e as que vivem com casais homossexuais.

Francisco deu o exemplo de uma menininha em Buenos Aires, sua antiga diocese, que confidenciou para sua professora, que o motivo pelo qual ela estava sempre triste era porque "a namorada da minha mãe não gosta de mim". O papa disse aos líderes das ordens religiosas que um grande desafio para a Igreja seria o de estender a mão às crianças que vivem em situações domésticas difíceis ou pouco ortodoxas. "A situação em que vivemos hoje nos proporciona novos desafios que às vezes são difíceis de entender",disse o papa, de acordo com uma transcrição da conversa. "Como podemos proclamar Cristo para esses meninos e meninas? Como podemos celebrar Cristo para uma geração que está mudando? Precisamos ter cuidado para não administrar neles uma vacina contra a fé", ele disse.

No domingo, as manchetes da mídia italiana diziam que as palavras do papa eram uma abertura para condição legal para uniões civis de casais do mesmo sexo, um assunto debatido na Itália. O porta-voz do Vaticano, Padre Federico Lombardi disse à Rádio Vaticano que as interpretações da mídia eram "paradoxais" e uma "manipulação" das palavras do papa, especialmente quando alguns veículos de comunicação o citaram como tendo falado especificamente das uniões homossexuais, o que ele não fez. Lombardi disse que o papa estava apenas fazendo alusão ao sofrimento das crianças e não tomando uma posição no debate político da Itália.

Nomeação de dom Orani para cardeal reflete ampliação geográfica da Igreja, diz ex-reitor da PUC
Anúncio foi feito neste domingo, no final da oração do Ângelus, no Vaticano, por Papa Francisco
Religioso é arcebispo do Rio de Janeiro

O arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, foi um dos novos 19 cardeais anunciados neste domingo pelo Papa Francisco, ao final da oração do Ângelus, realizada na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Quando o Papa anunciou o nome de dom Orani, ouviu-se uma ovação na praça, o que levou Francisco a comentar que havia muitos brasileiros ali. Padre Jesus Hortal, ex-reitor da PUC-Rio, lembrou que a nomeação de dom Orani reflete a ampliação geográfica da Igreja: — Levando em conta Espanha, Portugal, América Latina, Filipinas e Moçambique, teremos 60% dos católicos no mundo. Esse é o novo contexto.

Esse aspecto também foi lembrado pelo jornal espanhol “El País”, ressaltando que foram nomeados ainda religiosos de Argentina, Chile, Nicarágua, Haiti (o primeiro da História do país), Burkina Faso e Costa do Marfim. O jornal aponta ainda o fato de vários dos novos cardeais terem um perfil mais ligado à atuação em paróquias, lidando diretamente com os fiéis. Haverá uma cerimônia em 22 de fevereiro, na festa da Cátedra de São Pedro. Os cardeais têm a missão de aconselhar e auxiliar o sucessor de Pedro no desenvolvimento do seu ministério de confirmar os irmãos na fé e de ser princípio e fundamento da unidade e da comunhão da Igreja. Dos 19 nomeados neste domingo, 16, incluindo dom Orani, votam nos concílios e elegem papas.

Quando soube que seu nome estava na lista, dom Orani estava a caminho do seu segundo compromisso do dia, uma visita a moradores da Cruzada São Sebastião, no Leblon. Apesar do “frio na barriga”, ele manteve o roteiro previsto, cumprindo o percurso da Trezena de São Sebastião — período de 13 dias de bênçãos que precede a data do padroeiro da cidade. Ao meio-dia, quando a procissão com a imagem do santo chegou à Paróquia da Ressurreição, em Copacabana, fiéis aplaudiram dom Orani. Durante a missa, a primeira como cardeal nomeado, ele dividiu com os fiéis não apenas a emoção, mas a responsabilidade: — Como os cariocas torceram tanto, agora eles têm a obrigação de rezar para que eu desempenhe bem esta missão, que é importante não só para a igreja como para o mundo todo. Porque a igreja tem uma influência muito grande na nossa sociedade. É sem dúvida, uma responsabilidade que eu levo, contando com orações de todos — disse dom Orani, que, após a missa, seguiu com a imagem até as comunidades do Pavão/Pavãozinho e do Cantagalo, em Copacabana, e, ao fim do dia, celebrou uma missa aos pés do Cristo Redentor.

Durante missa no dia em que foi nomeado cardeal pelo Papa Francisco, Dom Orani ergue imagem aos pés do Cristo Redentor Marcio Alves / O Globo 

Presença maior de países pobres
Com perfil agregador e semelhante ao do Papa Francisco, dom Orani frequenta tanto o Palácio do Planalto quanto a quadra do Cacique de Ramos. Ano passado, durante a Trezena de São Sebastião, ele incluiu o reduto do bloco no percurso da imagem. Segundo teólogos, a escolha reforça a Igreja do Papa Francisco. O padre Jesus Hortal afirma que, assim como o papa, dom Orani é popular, querido entre os fiéis e tem grande empatia com o público: — Dom Orani é agregador. Sempre está aberto a conversar com todos e sempre escuta a todos. É muito querido e está sempre disposto. Dom Orani não é um homem para ficar em escritório. É um homem de ação pastoral.

Dom Pedro Stringhini, bispo de Mogi das Cruzes, na Região Metropolitana de São Paulo, salienta também o perfil comunicador de dom Orani: — É um homem da comunicação, transparente, claro e bastante participativo. Esteve à frente dos preparativos da Jornada Mundial da Juventude no ano passado, quando demonstrou liderança e uma incansável dedicação à Igreja.

Edson Luiz Sampel, doutor em direito canônico e professor da Escola Dominicana de Teologia (EDT), em São Paulo, acredita que o sucesso da JMJ pode ter influenciado na decisão do Papa Francisco. Especialistas já o viam como cotado para cardeal depois do evento, apesar de este ter deixado a arquidiocese com uma dívida de R$ 90 milhões. Além disso, Sampel aposta na estreita relação de dom Orani com os pobres. E destaca a importância para o país em ter mais um cardeal — o 21º, sendo que dez estão vivos: — O cardeal é como um diplomata da Igreja, e essa nomeação é um prestígio para o Rio.
No Pavão/Pavãozinho, moradores comemoraram a escolha do arcebispo do Rio. E, apesar do sol e do calor, cerca de 50 pessoas compareceram à Capela da Anunciação para ouvir as palavras de fé do novo cardeal. — Fiquei até arrepiado quando soube. Ele é um homem especial, que trabalhou duro durante a Jornada. Mereceu — disse o auxiliar Washington Antonio, de 41 anos, morador do Cantagalo, que foi voluntário durante a JMJ.

Emoção dos fiéis durante a visita
Como parte da trezena, por volta das 15h dom Orani percorreu as vielas do Pavão/Pavãozinho, seguido da imagem de São Sebastião e de uma pequena procissão. O cortejo parou num pequeno prédio, onde a aposentada Francisca Nevez de Souza, de 85 anos, recebeu uma visita do arcebispo. Com problemas de locomoção, ela não tem conseguido ir à igreja e tem recebido a comunhão em casa. No minúsculo apartamento, onde Francisca vive com a irmã e outros seis parentes, dom Orani puxou uma oração, conversou com a moradora e benzeu a residência. — Para mim, esta foi a coisa mais maravilhosa que me aconteceu na vida. Sou muito católica — falou Francisca, chorando de emoção.

Ao ver o arcebispo passar pelo corredor, a dona de casa Nete Lopes, de 48 anos, pediu uma bênção para a família. Enfileirou quase uma dezena de porta-retratos nas costas do sofá e pediu que dom Orani aspergisse água benta sobre as fotos dos filhos, dos irmãos e do cunhado. De uma família de imigrantes italianos, dom Orani João Tempesta nasceu em junho de 1950 em São José do Rio Pardo (SP). Coroinha na infância, ele informou à família que seguiria a vida religiosa assim que terminou o colegial. Especialista em comunicação, dom Orani foi o presidente da Comissão Episcopal para a Cultura, Educação e Comunicação da CNBB por dois mandatos consecutivos, de 2003 a 2011. Em 27 de fevereiro de 2009, o Papa Bento XVI nomeou-o arcebispo do Rio, uma cidade onde 51,09% da população, segundo o IBGE, é de católicos. Dom Orani assumiu convicto de que o Rio tem uma alma religiosa.

A lista dos novos cardeais:
1 - Monsenhor Pietro Parolin , Arcebispo titular de Acquapendente , Secretário de Estado.
2 - Dom Lorenzo Baldisseri , Arcebispo titular de Diocleziana , Secretário-Geral do Sínodo dos Bispos.
3 - Dom Gerhard Ludwig Müller, Arcebispo-Bispo emérito de Regensburg , Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.
4 - Dom Beniamino Stella, Arcebispo titular de Midila , Prefeito da Congregação para o Clero.
5 - O Arcebispo Vincent Gerard Nichols, arcebispo de Westminster ( Grã-Bretanha ).
6 - Dom Leopoldo José Brenes Solórzano, arcebispo de Manágua ( Nicarágua).
7 - Bispo Gérald Cyprien Lacroix Arcebispo de Québec (Canadá).
8 - Dom Jean -Pierre Kutwa de Abidjan ( Costa do Marfim).
9 - Dom Orani João Tempesta, O.Cist, Arcebispo do Rio de Janeiro (Brasil).
10 - Dom Gualtiero Bassetti, Arcebispo de Perugia - Città della Pieve (Itália).
11 - Dom Mario Aurelio Poli, arcebispo de Buenos Aires (Argentina).
12 - Dom Andrew Yeom Soo Jung, arcebispo de Seul (Coréia).
13 - Dom Ricardo Ezzati Andrello , SDB , arcebispo de Santiago de Chile (Chile).
14 - Dom Philippe Ouedraogo Nakellentuba , Arcebispo de Ouagadougou (Burkina Faso).
15 - Dom Orlando B. Quevedo , OMI, arcebispo de Cotabato (Filipinas).
16 - Bispo Chibly Langlois, Bispo de Les Cayes (Haiti).

Também foram escolhidos três eméritos:
Arcebispo Loris Francesco Capovilla , Arcebispo titular de Mesembria ;

Dom Fernando Sebastián Aguilar, Arcebispo emérito de Pamplona ;

Bispo Kelvin Edward Felix , arcebispo emérito de Castries , West Indies .

Nenhum comentário: