Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

segunda-feira, 9 de julho de 2012

9 de julho - Santo do dia

Santa Madre Paulina do Agonizante Coração de Jesus

Santa Paulina nasceu na Itália, em Vigolo-Vattaro, no dia 16 de dezembro de 1865, e foi batizada com o nome de Amábile Lúcia Visintainer. Filha de Napoleão Visintainer e Ana Pianezzer. Sua família muito pobre, com muitos imigrantes italianos, imigrou para o Brasil, mais precisamente em S.Catarina, onde fundaram Nova Trento, quando Amábile tinha 9 anos de idade. Ela sempre quis ser irmã...mas haviam muitas dificuldades, como o fato de sua família ser muito pobre...E com a morte de sua mãe, quando Amábile tinha 22 anos, teve que assumir as responsabilidades da casa, de cuidar de seus irmãos...Até que seu pai contrai novo Matrimônio e o sonho se reaproxima.

Surge uma cancerosa pobre, cuja família não pode cuidar...logo os jesuítas e o povo indicam quem pode se dedicar a ela: Amábile e sua amiga Virgínia...Desse gesto simples, mas cheio de amor, nasce a Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, no dia 12 de julho de 1890, em um casebre de madeira de 24 m², que receberam de doação. Nesse período Amábile sonha 3 noites consecutivas com Nossa Senhora e assim relata: “Me encontrava diante de um lindo prédio desabitado,de dois andares...Entrei e me deparei em uma sala com duas cadeiras.Súbito, surgiu uma lindíssima senhora, em meio a pequenas flores brancas.Vestia alvíssima túnica e, à cintura, uma faixa azul celeste...logo achei ser Nossa Senhora de Lourdes, pois se vestia igual a imagem da mesma.” Na segunda noite a senhora lhe diz: “Amábile, é meu ardente desejo que comeces uma obra: trabalharás pela salvação de minhas filhas.” A jovem lhe responde: “Mas como fazer isso minha Mãe? Não tenho meios, sou tão miserável, ignorante...” Assim acorda...e na terceira noite dá sua resposta: “Servir-vos Minha querida Mãe...sou uma pobre criatura, mas para satisfazer o vosso desejo, prometo me esforçar o máximo que eu puder!” Nesse mesmo sonho, Maria Santíssima lhe diz que em breve lhe mostrará as filhas que quer confiar aos cuidados da jovem, e assim acontece. Depois de um ano, Amábile se vê diante de um parreiral, onde aparecem entre os cachos de uvas maduras, jovens de diferentes etnias vestidas de branco...e Maria lhe diz: “Eis as filhas que te confio!”

A pobreza é imensa, mas as vocações crescem....para se sustentar, as jovens vão trabalhar na roça à meia, ou seja, metade da produção fica com elas, e metade com o proprietário, e a comida é pirão de farinha com suco de limão.

Após visita do bispo diocesano de Curitiba, Amábile, Virgínia e Teresa, a primeira a se juntar a elas, recebem aprovação e fazem os votos religiosos no dia 07 de dezembro de 1895. Amábile passa a se chamar Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus, Virgínia: Irmã Matilde da Imaculada Conceição, e Teresa: Irmã Inês de São José.

Em 1903, Irmã Paulina se torna Madre Paulina, sendo eleita superiora-geral, em um cargo vitalício. E juntamente com ir.Serafina e uma postulante se transferem para S.Paulo, onde os jesuítas conseguem doação do Conde José Vicente de Azevedo...Vem para morar em uma casa no Ipiranga, onde cuidam dos ex-escravos abandonados, por causa da Abolição da Escravatura, descendentes dos mesmos, e de crianças órfãs. Em 1909, a humildade e obediência de Madre Paulina vão ser testadas até onde muitos poucos puderam suportar... Por causa da intromissão de uma benfeitora, a senhora Ana Brottero, que queria ser consultada e dar ordens em todas as coisas que ocorriam na Congregação, Madre Paulina e uma irmã vão expor o fato ao arcebispo D.Duarte Leopoldo e Silva, que fica do lado da mulher rica e humilha a Madre Paulina, que estava ajoelhada, dizendo assim: “A senhora está destituída do cargo de superiora-geral, viva e morra na Congregação como súdita, que seja convocado o Primeiro Capítulo-Geral .” E obtém prontamente a resposta dela: “Estou pronta para entregar a Congregação à próxima superiora-geral e o meu único desejo é que a obra de Deus vá adiante.”

D.Duarte manda a Madre Paulina, a fundadora, para um exílio em Bragança Paulista, na S.Casa. O que caracteriza essa fase é exprimida pela frase dita por ela: “Meu desejo é trabalhar, obedecer e morrer abandonada por todas as criaturas desse mundo...recordada somente pelo meu caro Jesus,que tanto amo.Vontade de Deus, paraíso meu!”

Em 1918, Madre Paulina é chamada de volta ao Ipiranga, para servir de fonte histórica para a Congregação, que estava escrevendo sua história, e para ser modelo para as irmãs. Ela se destaca no serviço às irmãs enfermas, na confecção de flores artificiais e de rosários.

Em 1938, novamente sofre uma grande provação: estava fazendo flores artificiais e rosários no porão da casa-geral, quando faz um corte no dedo médio da mão direita, que não foi cuidado. Por causa dos diabetes, a ferida se transformou em gangrena diabética e ela teve que amputar o dedo, e posteriormente o braço... Mas nunca reclamou, nunca se lamentou, nessa ocasião ela disse: “Deus me pediu o dedo, depois o braço. Mas por que negar se sou toda dele? Estou devolvendo aquilo que ele me deu... Que o nome Dele seja louvado em todas as partes, por todas as pessoas e em todos os momentos.”

No ano de 1940, a Congregação fazia 50 anos, e Paulina 50 anos da sua saída de casa. Assim quis deixar seu rico testamento espiritual, de encorajamento, confiança. Na certeza de quem enfrentou muitas tempestades retiramos essas duas frases: “Nunca, jamais desanimeis, embora venham ventos contrários!Confiai em Deus e em Maria Imaculada permanecei firmes e ide adiante!”

Madre Paulina foi ficando cada vez mais doente, ficou cega nos últimos meses de vida e veio a falecer no dia 09 de julho de 1942, com 76 anos de idade.

Foi beatificada em Florianópolis pelo papa João Paulo II, em 1991 e canonizada pelo mesmo papa no Vaticano, dia 19 de maio de 2002.

Logo após sua morte muitos ativamente procuraram sua intercessão em orações. Muitos favores e preces foram atendidas e muitos milagres são creditados a suas intercessão.

Encontramos especialmente, vocações a irmandade e cura de doentes aos quais Madre Paulina dava grande amor. Três relíquias foram feitas após a sua beatificação. Uma foi dada ao Papa João Paulo II , uma ao Convento onde Madre Paulina vivia, outra a Abert Visintainer e a sua família em Monte Carmelo, PA, USA foi dado um pequeno osso do seu dedo.

A ela já foram oficialmente atribuídos dois milagres:

A cura de Eluisa Rosa de Souza que havia sido desengana pelos médicos devido a um choque irreversível no sétimo mês de gravidez. O segundo a cura de Iza Bruna Vieira de Souza com nove anos de um tumor no celebro.

Sua festa é celebrada em 9 de julho.

Santa Madre Paulina do Agonizante Coração de Jesus, rogai por nós!

Santa Verônica Giuliani

Úrsula Giuliani nasceu em Mercatello, perto de Urbino, no ano de 1660. Foi a sétima filha do casal Francisco e Benta, profundamente católico. Quatro de suas filhas já eram clarissas quando apoiaram a sua caçula, que, aos dezessete anos, desejou ingressar no mosteiro da Ordem na cidade de Castello. Lá ela vestiu o hábito e tomou o nome de Verônica.

No convento, ela trabalhou muito, sem distinção de cargos: foi camareira, cozinheira, encarregada da despensa, enfermeira, professora das noviças e, finalmente, abadessa. Transformou o mosteiro numa verdadeira e especial escola de perfeição com o seu próprio exemplo de amor ao Redentor, à sua Paixão na cruz e à Virgem Maria, deixando para a posteridade um legado instigante de sua prolongada e rica experiência mística.

Os registros de manifestações místicas na vida dos santos da Igreja não são poucos. E consideram-se místicos os fenômenos extraordinários que vivem algumas pessoas escolhidas por Deus para mostrar sua intervenção na existência terrena de seus filhos. São eles os milagres, as profecias, o domínio sobre fenômenos da natureza, as visões, os êxtases e as aparições dos estigmas de Cristo no corpo. Entretanto o que ocorreu com Verônica não teria chegado até nós se não fosse a inspiração de seu diretor espiritual.

Tudo começou a partir de 1697, quando lhe apareceram no corpo os estigmas de Jesus, ou seja, passou a conviver com as mesmas chagas que martirizaram o Cristo. Na ocasião, Verônica pediu a Jesus que os escondesse aos olhos de todos, não desejava que absolutamente ninguém soubesse o que lhe ocorria. Também não queria ser vista como uma escolhida, preferia viver na humildade. Ela conseguiu, mantendo-se reclusa em sua cela e sem contato com nenhuma pessoa fora do convento, pelo resto da vida.

E teria permanecido assim, sem que ninguém soubesse de sua história, não fosse uma ordem que lhe impôs seu confessor e diretor espiritual. Verônica teria de escrever todas as experiências místicas que vivenciava e sentia nos seus contatos com Jesus. Porém, depois, não poderia reler o que havia registrado. Desse modo, ficaram para a posteridade quarenta e quatro volumes de uma fantástica vivência de trinta anos com o extraordinário.

Um dos relatos mais impressionantes trata-se da descrição que ela fez de como lhe surgiram os estigmas. "Vi sair das santas chagas do Cristo cinco raios resplandecentes e todos vieram perto de mim. Em quatro estavam os pregos, e no quinto a lança que, candente, me transpassou o coração de fora a fora", descreveu ela. Era uma Sexta-Feira Santa, de madrugada.

Foi numa sexta-feira também que Verônica Giuliani morreu, em 1727, depois de trinta e três dias de doença e agonia em seu corpo, onde se viam, ainda, as chagas da Paixão. Para corroborar seus escritos, a autópsia constatou que, realmente, seu coração estava vazado de lado a lado.

Úrsula Giuliani nasceu em Mercatello, perto de Urbino, no ano de 1660. Foi a sétima filha do casal Francisco e Benta, profundamente católico. Quatro de suas filhas já eram clarissas quando apoiaram a sua caçula, que, aos dezessete anos, desejou ingressar no mosteiro da Ordem na cidade de Castello. Lá ela vestiu o hábito e tomou o nome de Verônica.

No convento, ela trabalhou muito, sem distinção de cargos: foi camareira, cozinheira, encarregada da despensa, enfermeira, professora das noviças e, finalmente, abadessa. Transformou o mosteiro numa verdadeira e especial escola de perfeição com o seu próprio exemplo de amor ao Redentor, à sua Paixão na cruz e à Virgem Maria, deixando para a posteridade um legado instigante de sua prolongada e rica experiência mística.

Os registros de manifestações místicas na vida dos santos da Igreja não são poucos. E consideram-se místicos os fenômenos extraordinários que vivem algumas pessoas escolhidas por Deus para mostrar sua intervenção na existência terrena de seus filhos. São eles os milagres, as profecias, o domínio sobre fenômenos da natureza, as visões, os êxtases e as aparições dos estigmas de Cristo no corpo. Entretanto o que ocorreu com Verônica não teria chegado até nós se não fosse a inspiração de seu diretor espiritual.

Tudo começou a partir de 1697, quando lhe apareceram no corpo os estigmas de Jesus, ou seja, passou a conviver com as mesmas chagas que martirizaram o Cristo. Na ocasião, Verônica pediu a Jesus que os escondesse aos olhos de todos, não desejava que absolutamente ninguém soubesse o que lhe ocorria. Também não queria ser vista como uma escolhida, preferia viver na humildade. Ela conseguiu, mantendo-se reclusa em sua cela e sem contato com nenhuma pessoa fora do convento, pelo resto da vida.

E teria permanecido assim, sem que ninguém soubesse de sua história, não fosse uma ordem que lhe impôs seu confessor e diretor espiritual. Verônica teria de escrever todas as experiências místicas que vivenciava e sentia nos seus contatos com Jesus. Porém, depois, não poderia reler o que havia registrado. Desse modo, ficaram para a posteridade quarenta e quatro volumes de uma fantástica vivência de trinta anos com o extraordinário.

Um dos relatos mais impressionantes trata-se da descrição que ela fez de como lhe surgiram os estigmas. "Vi sair das santas chagas do Cristo cinco raios resplandecentes e todos vieram perto de mim. Em quatro estavam os pregos, e no quinto a lança que, candente, me transpassou o coração de fora a fora", descreveu ela. Era uma Sexta-Feira Santa, de madrugada.

Foi numa sexta-feira também que Verônica Giuliani morreu, em 1727, depois de trinta e três dias de doença e agonia em seu corpo, onde se viam, ainda, as chagas da Paixão. Para corroborar seus escritos, a autópsia constatou que, realmente, seu coração estava vazado de lado a lado.

Santa Verônica Giuliani, rogai por nós!

Nenhum comentário: