Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

terça-feira, 3 de julho de 2012

EUCARISTIA OU NADA. "A IGREJA FAZ A EUCARISTIA E A EUCARISTIA FAZ A IGREJA" - Parte 7


EUCARISTIA OU NADA.

"A IGREJA FAZ A EUCARISTIA
E A EUCARISTIA FAZ A IGREJA"

O QUE É, POIS, A SANTA MISSA?

É o momento de entregar-se e responder a esta pergunta, para entender o sentido da escolha do pão e do vinho, feita por Jesus, na instituição da Eucaristia: Só na Missa temos a explicação de tudo.

Ela “é algo mais que uma festa da união fraterna; é muito mais que um banquete de amigos ou que uma mesa para pobres. Não é pouco o momento de celebrar a dignidade humana, as reivindicações ou esperanças puramente terrenas. É o SACRIFÍCIO que torna Cristo realmente presente no Sacramento” (João Paulo II. 20.3.1990. aos Bispos brasileiros, na sua visita ad sacra limina).

Por isso, é a celebração sacramental do Sacrifício do Calvário: o mesmo Sacrifício da Cruz, celebrado por Jesus, mediante o Seu ministro, autorizado por Ele a representá-Lo invisivelmente, sim, a agir em Seu Nome, na Sua Própria Pessoa.

Sacrifício dito incruento, não porque diverso do cruento, mas porque é o mesmo, de que difere apenas na medida em que é oferecido sob as espécies do pão e do vinho, elementos que, distintamente consagrados, evidenciam simbolicamente a violenta separação do sangue do corpo da vítima imolada.

Não é, porém, uma pura representação simbólica-comemorativa de quanto aconteceu há mais de vinte séculos, em Jerusalém. Certamente, é uma representação, mas o seu simbolismo não resolve em si ou só por si a realidade do SACRIFÍCIO: compreendemo-lo ou abrangemo-lo, refletindo em que a distinta consagração do pão e do vinho é o sinal da REAL e ATUAL MORTE DA VITIMA. Os dois elementos consagrados, de fato, já não são PÃO e VINHO, mas o próprio Cristo, com o Seu Corpo morto e o Seu Sangue derramado. Por outro lado, Cristo, como Mediador universal, não realizou o Seu Sacrifício, mas REALIZA-O, porque EXPIA os pecados cometidos da primeira à última geração humana, a respeito das quais Ele mesmo é contemporâneo, não podendo ser nunca, nem futuro nem passado para nenhuma delas.

Três, pois, segundo o Magistério, são os pressupostos fundamentais, e entre si inseparavelmente ligados, do Sacrifício Eucarístico: o pecado de todos os tempos, a transcendência do Verbo Incarnado, a transubstanciação.

A Missa não é a assembléia dos fiéis. Estes participam nela, mas não a celebram. E tanto isto é verdade, que a Missa é validíssima por si mesma, mesmo quando não esteja presente nenhum fiel. Nem qualquer presidente pode fazer de celebrante: mas apenas o SACERDOTE que, em virtude do Sacramento da Ordem, representa Cristo como Seu ministro.

Representando Cristo diante do Pai, ele representa a Igreja. Seu Corpo Místico e, por conseguinte, também os fiéis que são os Seus membros. É em Cristo, pois, que é necessário fixar a atenção, uma vez que é Ele o único verdadeiro Celebrante, principal oferente ou oferecedor, como é a única verdadeira Vítima principal oferecida.

Jesus é o próprio Verbo que, assumindo a natureza humana, lhe participa, com o Seu próprio ato de ser – filial- a infinita dignidade e poder que Lhe são próprios, como Pessoa Divina que é. Dignidade e poder que a todas as ações do HOMEM-JESUS conferem um valor imenso: precisamente aquele que é necessário para fazer de mediador capaz de reunir e conter em Si tudo quanto é criado, ou seja, de transcender e compreender ou incluir todo o curso das gerações humanas, e ser por isso o CENTRO a que todas e cada uma delas convergem, podendo assim perceber os frutos da Sua Mediação expiadora.

Por conseguinte, se, incarnando, Ele Mesmo Se insere no tempo e Se reveste da natureza humana, sujeita-Se às suas leis e experimenta-lhes as misérias...; continua, porém, a salientar-Se e a dominar, pelo que é contemporâneo de cada indivíduo que, pecando, O faz agonizar na alma e no corpo. Portanto, a causa mais real da Sua Paixão é todo o pecador, enquanto, segundo o plano da Providência, a obra de juízes iníquos e de velhacos fanáticos tem sido apenas o instrumento e como que o símbolo das culpas humanas que, ofendendo a Deus, não tem cessado nem cessarão de trespassar o Coração de Cristo.

Conclui-se assim, que o delito dos Judeus é como que o “signum” (sinal) de todos os pecados que, cometidos ao longo de todos os séculos, são os verdadeiros responsáveis de uma Paixão sempre em ato, ou seja, nem futura para alguns, nem passada para outros, mas sempre presente, a par da mediação do Verbo Incarnado, no centro de todos os tempos: Ele é Primeiro e Último, Alfa e Ômega, Princípio e Fim da História.

Mais claramente: a Paixão não precede o pecado, mas segue-o, sendo este a sua causa. Não pode dizer-se que Cristo já sofreu pelas culpas do gênero humano (pelo que eu ficarei livre de pecar), porque sou precisamente eu, com as minhas culpas cometidas de um momento para o outro, que O firo. Perfeito é o sincronismo entre mim-pecador e Ele-morimbundo Jesus deixará de morrer, com o último pecado do homem.

Para quê o Sacrifício Eucarístico?

É simples: para tornar possível à Igreja de todos os lugares e tempos, a participação na Oferta cruenta da Cruz. Ou seja, para que o pecador de todos os lugares e tempos, porque o ofender a Deus, se torne responsável da Paixão de Cristo, de forma a poder também fazer sua esta mesma Paixão, ou seja, expiar as suas culpas e deste modo se redimir ou salvar. E ele pode fazê-lo não apenas recordando uma Paixão sofrida há milhares de séculos: mas, sobretudo, instruindo ou compreendendo, à luz da fé, uma Paixão que, quanto ao seu conteúdo de mistério, perdura para além do rolar dos tempos num presente meta-histórico: precisamente a Paixão que o homem provoca em Cristo, todas as vezes que peca; aquela pela qual ele, fazendo-a sua, se reconcilia com Deus.

A realidade dos fatos resume-se no pecado do homem e no Sacrifício de Cristo

Sacrifício que o crente conhece pelo relato evangélico, em que está descrito tudo o que se refere aos seus elementos empíricos, conhecidos pelas testemunhas oculares da Paixão e, sobretudo, pela fé que o faz intuir ou compreender o seu sentido profundo, a sua finalidade altíssima, a sua eficácia infinita.

Justamente aquilo que interessa à humanidade inteira, que pode elevar-se a contemplar o Mistério, apenas partindo do sensível; e daí, a necessidade de um rito externo que o revele. E eis então o SACRIFÍCIO EUCARÍSTICO. O qual, enquanto ou na medida em que renova a Última Ceia, celebra o idêntico Sacrifício da Cruz que, perfeito em si e por si irrepetível, é oferecido aos sentidos do crente pela distinta consagração do pão e do vinho, transubstanciados no Corpo e no Sangue de Cristo.

Deste modo, a idêntica Imolação da Cruz oferece duas vertentes: uma constituída pela humanidade do Salvador, que sofre sob as aparências da natureza passível assumida pelo Verbo, tal como os Seus contemporâneos puderam observar, recordar e descrever, a nível do fenômeno ou da crônica (sub epecie própria – sob as Suas próprias espécies). A outra, sobrenatural, objeto de fé, consiste no mistério do Verbo Incarnado, Vítima de satisfação e redenção, velada sob as espécies sacramentais, ou seja, sob as naturais propriedades do pão e do vinho, distintamente consagrados (sub specie alienta – sob espécies alheias).

E delas resulta portanto a única, intemporal, REALIDADE do Mistério sob dois diferentes sinais sensíveis e temporais:

- as carnes a jorrar Sangue de Cristo moribundo na Cruz;

- as distintas espécies consagradas do pão e do vinho, símbolo da violenta separação do Sangue, do Corpo do Salvador.

Trata-se, portanto, de dois sinais: o primeiro é NATURAL, perceptível pelos sentidos; o segundo é SACRAMENTAL, inteligível pela fé, que abre o crente à transcendente verdade de Cristo, Sacerdote-Vítima. Só para ele a Missa é SACRAMENTO DO SACRIFÍCIO.

Ora, se a Imolação de Cristo apareceu uma só vez sob as espécies da Sua natureza humana dolorosa, tendo depois ressuscitado e passando a ser impassível...; verdade é que são infinitas as vezes que ela pode apresentar-se sob as espécies sacramentais, isto é, tantas quantas são as celebrações eucarísticas, permanecendo sempre:

- idêntico o sacerdote,

- idêntica a Vítima,

- idêntica a oferta que Ele faz de Si.

Por conseguinte, se é certo que podem celebrar-se inúmeras Missas único ficará sendo sempre o Sacrifício por elas significado. Ou seja: a Muitas Missas corresponde um só Sacrifício. Portanto, a Missa, Sacramento do Sacrifício, foi instituída para que os crentes pudessem participar no Sacrifício, mediante o Sacramento, e isto em virtude da transubstanciação, pela qual o próprio Jesus, corporalmente presente (como na Cruz) Se oferece, tanto ao Pai como Vítima de expiação, como a nós, como Alimento de vida eterna, significado pelas espécies sacramentais.

Segue-se que, faltando a transubstanciação, a Oferta cruenta do Calvário acabaria por ser uma simples recordação e um artigo de fé na qualidade de Mistério: o qual não revelado aos sentidos se não prestaria a culto externo nem à Comunhão Eucarística sinal de unidade entre os membros do Corpo Místico, necessitados do sensível para se reconhecerem, se amarem e viverem juntos.

MESA CELESTE

“A Eucaristia, sentencia João Paulo II, é, sobretudo, um sacrifício (...) O mistério eucarístico, separado e sacramental, deixa simplesmente de existir como tal” (Domin. Cenae 9.8).

O Papa sintetiza um cúmulo de definições do Magistério, de catequeses dos Padres da Igreja e dos comentários bíblicos da mais autorizada teologia católica. Quando se repete que a Missa é o mesmo sacrifício da Cruz, diferindo dele apenas porque o apresenta sob as espécies do pão e do vinho distintamente consagrados, não se faz mais do que afirmar que nela se não dá uma imolação nova e tão pouco uma nova imolação e da Oblação da Cruz: a liturgia eucarística não faz senão pôr o Calvário no nosso altar.

Isto quer dizer mesmo que a Igreja não oferece um “seu” Sacrifício distinto do de Cristo, limitando-se a participar na Imolação do Calvário, a única que na realidade expia e redime. De si própria ela oferece apenas tudo quanto é necessário para a sua participação, que é depois a liturgia eucarística instituída pelo próprio Jesus naquilo que se refere ao essencial do rito.

Ora, confundir-se-ia a verdade do dogma eucarístico, supondo que a Missa fosse apenas SACRIFÍCIO: a Igreja, seguindo a Tradição Apostólica, ensina que é também e necessariamente, BANQUETE. Trata-se, porém, de um banquete apenas comparado aos banquetes humanos por analogia: no banquete eucarístico é oferecida ao crente uma MESA CELESTE, porque “o pão” de que se alimenta é o pão “VIVO DESCIDO DO CÉU”; “Pão” que passou a ser o próprio Corpo de Cristo, sacrificado pela salvação do mundo.

Por isso, “o sacrifício e o sagrado banquete pertencem ao mesmo mistério, a ponto de estarem ligados um ao outro por um estreitíssimo vínculo” (Paulo VI, Euchar, Myser, 3/b).

Uma vez admitido isto, a unidade do mistério “Sacrifício-Mesa” consente o precisar-se que a Mesa brota do Sacrifício porque imagem da comunhão de graça entre a alma e Deus, restabelecida pela Oferta da Cruz celebrada por Cristo como supremo ato de amor ao Pai e à humanidade pecadora. Por outras palavras: a consumação das espécies eucarísticas é o SINAL (símbolo) da sobrenatural assimilação dos fiéis a Cristo Crucificado, sua Cabeça, e é neste misterioso processo vital eu eles tornam a gozar (ou confirmar) a sua própria intimidade com o Pai.

Por isso, apenas pela participação no Sacrifício de Cristo (celebrado sob as espécies do pão e do vinho) e pela conseqüente transformação mística n’Ele, é possível realizar a comunhão com Deus, prelúdio de vida eterna.

“Mesa celeste”, por conseguinte, essencialmente diversa da mesa “terrena”. Nela, o “alimento” é o Corpo e o Sangue de Cristo, ambos realíssimos, mesmo num simples fragmento de pão e numa gota de vinho consagrados. “Alimento” insuficiente para alimentar o corpo, mas mais que abundante para saciar a alma, realizando a inefável comunhão de amor com Deus, em Cristo.

Comunhão de amor iluminada pela fé, por sua vez sustentada pelos sentidos, pelos quais o fiel percebe as naturais propriedades do pão transubstanciado no Corpo de Cristo.

É pela transubstanciação, de fato, que a Comunhão Eucarística é Comunhão com Cristo, Comunhão com Deus, Comunhão com o mistério da Sua Vida. O crente, pois, não se fica ou firma nas espécies sacramentais, objeto dos sentidos porque, na realidade, o impulso do seu pensamento atinge a Pessoa de Jesus. Se, comendo o pão comum, me alimento da sua substância, assimilada pelo organismo, através da percepção das suas qualidades sensíveis, não vejo por que razão não possa alimentar a minha alma, consumindo um “pão” que, apesar das aparências, já não é pão,mas o Corpo de Cristo...

É evidente que o discurso apenas tem este sentido segundo a lógica da fé. Por conseguinte, negada a transubstanciação, a Comunhão Eucarística, que é comunhão com o Verbo-feito-carne, seria impossível; pelo que, falar de Mesa Celeste, não teria sentido algum. É intoleravelmente reduzido que alguém se firme apenas em alimentar-se espiritualmente de um pão-símbolo-de Cristo, e não de um pão-tornado-Corpo de Cristo...

Este pressuposto pão-símbolo poderia ser alimento apenas para um homem que, em virtude da fé, prescinde do sensível; precisamente para aquele que não seria verdadeiro homem, que não viveria segundo as necessidades da sua natureza composta, essencialmente, também de um corpo, com as exigências e hábitos da vida humana e as suas insubstituíveis relações sociais...

Jesus, segundo o dogma católico, preferiu ficar conosco segundo a Sua própria natureza humana integral que, pela transubstanciação, se oferece a todos, através do sublime simbolismo do “pão”. Que quer, pois, dizer receber a Comunhão? Como pode verificar-se o encontro dos fiéis com Cristo-Eucarístico?

a) – Recebe-a só materialmente¸ aquele que é espiritualmente indigno dela, porque vive em pecado mortal. Ele, se realmente recebe Cristo, é também certo que O ofende, porque a Eucaristia foi por Ele instituída como sinal de amizade dos crentes com Ele e entre si...;

b) – A Comunhão é recebida apenas espiritualmente, quando o encontro é realizado apenas pela fé e pelo desejo dos fiéis, que acreditam na presença real de Cristo e não podem recebê-Lo também materialmente, apenas porque impedidos por circunstâncias involuntárias;

c) – Comunhão verdadeira e completa é apenas a sacramental, que corresponde a todo o homem, alma e corpo, entendimento e sentidos, estado de graça e efetiva participação na Mesa Eucarística, precisamente como a ele mesmo Se oferece todo-o-Cristo, na totalidade ou integridade da Sua constituição ontológica, ou seja, como VEBRO INCARNADO.

Precisando um pouco melhor: receber a Eucaristia não significa fazer a comunhão, mas sim entrar em Comunhão com Cristo-Sacramentado; o que exige o concurso de TODO O CRISTO, acolhido por TODO O HOMEM:

- de todo-o-Cristo sacramentado, ou seja, da realidade da Sua substância corpórea, com tudo quanto ela comporta por natural concomitância;

- por todo-o-homem, ou seja, principalmente pela sua alma, pela sua inteligência, pelo seu amor e, consequentemente, pelo seu corpo, que inclui o conteúdo externo, como cordial adesão a uma liturgia que exige palavra e canto, auscultação e atenção, gesto de súplica e de adoração...; a psicologia humana obriga a uma tal interdependência entre a alma e o corpo, entendimento e sentidos... Ilude-se quem presume elevar-se apenas com a alma; reduz-se a uma marionete quem limita o culto ao comportamento do corpo... Evidentemente que a reciprocidade destas relações é inteiramente em benefício da alma, porque a Comunhão sacramental é encontro do espírito, contemplação do pensamento, abandono do amor.

O culto externo deve servir, ou seja, subordinar-se ao interior, virado para a Pessoa do Verbo: e é por isto que o banquete eucarístico é mesa celeste, antecipação da Bem–Aventurança Eterna.

Se esta “mesa” abre para a comunhão com Deus em cristo, e se a comunhão é diálogo da alma com Ele, que poderá então dizer a alma a Deus e Deus à alma? A Deus, não lhe resta dizer mais nada, uma vez que chegou ao ponto de fazer-se possuir por Cristo, segundo a Verdade do Seu Verbo e a física realidade da Sua Carne.

Carne que envolve todo o mistério cristão, sendo Carne do Verbo gerado pelo Pai, e com Ele, a soprar ou exalar o Amor: a Eucaristia contém a Trindade. Com Jesus, está também Maria, que Lhe concebeu a natureza humana; está o coro imenso dos Anjos, a indeterminada multidão dos bem-aventurados, o inteiro universo dos corpos semeados pelo espaço infinito, com a sua história, com o seu mistério. Porventura não é Ele a Síntese pessoal de todo o criado e o criável?

Mas o crente que O recebe pode e deve lançar-se para além do invólucro das espécies sacramentais até atingir e perder-se no “seio do Pai” e participar na Sua Bem-Aventurança.

Por conseguinte, é com todo o Seu próprio Ser que Deus fala á alma, cuja correspondência ou resposta é formulada segundo todos os graus da vida interior.

É o “Creio, Senhor!”, possível à criança e ao adulto, ao convertido e ao místico... Todos, no silêncio, podem recolher as capacidades da alma e ficar absorvidos num comportamento de feliz admiração, de adoração, de gratidão, de oferta.

A Hóstia consagrada é a prova tangível e mais extasiante do Amor de Deus que, no Verbo, para além de Se fazer “carne”, se oferece como Vítima no Sacrifício que, sob as espécies sacramentais, atingiu os extremos confins da matéria bruta: a Eucaristia realiza a mediação contemplativa mais poderosa que todas as outras, porque as reassume a todas. Na Hóstia consagrada, o Tudo fez-Se nada...

E é por este misterioso aniquilamento que mesmo o último dos fiéis pode sentir-se animado ou estimulado a abrir-se com Ele: conversar sobre a Sua vivencia terrena, relembrar triunfos e rejeições, bênçãos e ultrajes, alegrias inefáveis e tristezas morais...

Qualquer poderá reconhecer e meditar no Seu agradável e misterioso olhar, no timbre da Sua voz, na amável ou amorosa majestade dos Seus gestos, nos sublimes momentos de intimidades vividos com Sua Mãe, com os discípulos, com os amigos...

E poderemos também espiá-Lo, enquanto, de noite, mergulha na adoração ao Pai, no mais absorvido e solene silêncio da natureza.

Penso que Ele Mesmo Se compraz em ouvir-Se relembrar, por quem Lhe recorda os Seus discursos, os prodígios, as controvérsias com os Fariseus, as horas de angústia, a suprema desolação da Cruz, como também a Sua vitória sobre o pecado e a morte...

Comungar com Ele significa também contar-Lhe, com inteira liberdade, as nossas desventuras, os problemas, os erros, as esperanças... como teríamos feito, se tivéssemos tido o privilégio de O encontrar e viver com Ele na Terra, acolhê-Lo em casa...

Porém, talvez com a nossa fé de hoje, teríamos mudos, com o coração cheio de comoções, absorvidos no contemplar simplesmente o Seu Rosto, fixar-Lhe o olhar, para depois desatar a chorar e confessar-Lhe a nossa imensa ternura de pobres criaturas, apenas necessitadas da Sua Infinita Misericórdia.

Mas, com mais razão ainda, esquecendo-nos de nós mesmos, com tudo quanto nos diz respeito e tudo quanto por Ele Mesmo foi criado, admirados ou maravilhosos com o possuir o Imenso e o Eterno, abstraindo ou esquecendo-nos de todas as sombras e imagens, preferimos perder-nos no “Seio do Pai”. Contemplar o mistério da Sua Vida, mergulhar no abismo das razões pelas quais criou o mundo e lhe dirige ou governa a história. Na inefável intimidade com Ele, no Verbo feito carne e pão, preferimos adorar, calar, gozar.

E tudo isto, antes que nos levantemos da Sua “mesa”, para retomar o caminho, neste desolado deserto da vida.

continua ...

Nenhum comentário: