Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

sábado, 3 de outubro de 2015

O Sínodo da família e as paixões de ignomínia

O Sínodo da família e as paixões de ignomínia

Todo católico deveria detestar abordar questões que São Paulo não queria nem sequer que fossem mencionadas entre os cristãos:
Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos muito amados, e andai no amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós a Deus, como oferenda e hóstia de suave odor. Nem sequer se nomeie entre vós a fornicação ou qualquer impureza ou avareza, como convém a santos…” (Efésios 5, 1-3).

Enquanto o grande Apóstolo formava em seus discípulos a outros Cristos, não podia admitir que houvesse ainda entre eles escravos das paixões carnais e do espírito de concupiscência:
Com efeito, sabei-o bem, nenhum fornicador ou impudico ou avaro, o qual é um idólatra, terá herança no reino de Cristo e de Deus” (ibidem, 5, 5).

No entanto, o mundo contemporâneo há muito retornou às perversões mais infamantes, esquecendo-se do destino reservado a Sodoma e Gomorra (1). Assim como a pederastia, a bestialidade e muitas outras perversões sexuais se alastram nas sociedades modernas, ao mesmo tempo diminuem o pudor, a fidelidade, a abstinência e todas as virtudes capazes de aplacar a concupiscência.

Contra a lei natural e divina
Frente aos ataques contra o casamento cristão, e agora contra o casamento natural (a união estável de um homem e uma mulher em uma casa, com o fim de gerar e criar filhos), a Igreja Católica recorda incansavelmente a verdade da moral evangélica:
Porventura não sabeis que os injustos não possuirão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os fornicadores, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os que se dão à embriaguez, nem os maldizentes, nem os roubadores possuirão o reino de Deus” (I Coríntios 6, 9-10).

O pecado da homossexualidade é uma grave desordem cujo ato específico é colocado pela Sagrada Escritura entre os “pecados que clamam ao céu”, como o homicídio ou a opressão à viúva e ao órfão. Os pecados que clamam ao céu são aqueles cuja maldade, e particularmente a perturbação da ordem social que provocam, pedem, desde a terra, uma justa vingança da parte de Deus (2).

Isso mostra a gravidade do pecado da homossexualidade, não obstante, banalizado e até mesmo promovido por todos os tipos de organizações e outros meios de propaganda. Pensemos nas associações “LGBT”, nos filmes, moda, paradas e desfiles (“orgulho gay”) que inundam todos os anos as ruas das metrópoles do mundo.

A Igreja Católica não escapa a esta pressão que vem de um mundo depravado e de costumes corruptos. Até agora, ela tinha conseguido lembrar às pessoas o caráter antinatural e a ignomínia ou infâmia desse tipo de pecado. O novo Catecismo, em 1992, ainda podia escrever no seu número 2357:
Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (3) a Tradição sempre declarou que ‘os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados’ (4). São contrários à lei natural, fecham o ato sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afetiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados”.

As profundas divisões entre os Padres Sinodais
A preparação do sínodo sobre a família, paradoxalmente, deu uma tribuna para os promotores ou apoiadores da banalização da homossexualidade. No dia 13 de outubro de 2014, o Relator geral do Sínodo, o cardeal húngaro Péter Erdö, deixava-o evidente num documento que se tornou público em presença de duzentos jornalistas. Titulado Relatio post disceptationem, descrevia a estima pelos “dons e qualidadesque os homossexuais tinham para oferecer à comunidade cristã” (Relatio, nº. 50). Ao rejeitar qualquer equivalência com o matrimônio entre um homem e uma mulher, e por causa da pressão internacional em favor da ideologia de gênero (ibid. nº. 51), o Sínodo “leva em consideração que há casos em que o apoio mútuo, até o sacrifício, é uma ajuda valiosa para a vida dos casais!” (nº. 52). Durante a mesma conferência de imprensa, o arcebispo Bruno Forte, secretário especial do Sínodo e presumivelmente autor dos parágrafos escandalosos, declarou:
Acho que o documento procura aspectos positivos onde se possam encontrar estes elementos dentro dessas uniões. É fácil rejeitar uma coisa, mas reconhecer e valorizar tudo o que é positivo, mesmo dentro destas experiências, é um exercício de honestidade intelectual e de caridade espiritual”.

Então, pela primeira vez na sua história, através de canais oficiais, a Igreja prega acolher aos homossexuais como tais. O desafio não é mais de aqui em diante a conversão e o chamado à penitência, o combate contra as tendências desordenadas e pecaminosas, mas à capacidade “de receber essas pessoas garantindo-lhes um espaço de fraternidade em nossas comunidades”, enquanto que, na prática e publicamente, vivem em tais vícios.

O escândalo foi imenso e as reações a este relatório provisório não demoraram em sentir-se. Quando entrevistado pela Rádio Vaticano no dia 13 de outubro, o bispo Stanislas Gadecki, arcebispo de Poznan e Presidente da Conferência Episcopal da Polônia, não teve medo de declarar: “Este documento é inaceitável”. Os bispos africanos também expressaram seu profundo desacordo: no Twitter, o cardeal William Fox Napier, arcebispo de Durban, se opôs fortemente aos artigos sobre a homossexualidade, ao que o Cardeal Walter Kasper respondeu em uma entrevista aos repórteres, que os bispos africanos “não deveriam nos dizer o que fazer”. – Alguns meses mais tarde, o Cardeal Napier teve que falar do desprezo condescendente do cardeal Kasper, que “acredita que os bispos africanos são demasiado submissos a tabus e muito relutantes em abordar a questão da poligamia e do casamento entre pessoas do mesmo sexo“.

Ainda assim, em 18 de Outubro, o relatório final do Sínodo se empenhava em apagar o fogo usando uma manobra para chegar a um acordo. Inteiramos-nos de que o parágrafo sobre os homossexuais foi posto à votação, obtendo 118 votos a favor e 62 de desaprovação. O padre Federico Lombardi, diretor da Imprensa da Santa Sé, salientou que, embora os parágrafos “não tenham atingido a maioria qualificada, foram esmagadoramente aprovados“. Por esta razão o próprio Papa Francisco havia desejado que os parágrafos rejeitados fossem também publicados, “a fim de ampliar o debate”.

Embora este texto, de acordo com o padre Lombardi,não é um documento do Magistério disciplinar”, o problema é complexo. Como um comportamento antinatural e intrinsecamente desordenado pode ser apresentado tão positivamente? Como um pecado que clama ao céu tornou-se umaorientação sexual” capaz de proporcionar “dons e graças” (quais?) para a comunidade cristã? O que significa em última análise este elogio, apenas dissimulado, do sentido do sacrifício entre pessoas homossexuais? Querer-se-á comparar essa “ajuda valiosa para a vida dos casais” à fidelidade e o apoio dos cônjuges no casamento? Esta seria uma daquelas “comparações blasfemas” entre o Evangelho e a revolução que São Pio X denunciava há mais de um século (5). Como é que homens da Igreja podem encontrar valores positivos ou assuntos de edificação em tais vícios, que são outras tantas situações de pecado?

Mons. Huonder é rejeitado por seus colegas
No dia 31 de julho de 2015 um bispo suíço valentemente lembrou o ensinamento moral da Igreja sobre estas questões durante uma conferência intitulada O casamento: dom, sacramento e missão”. Mons. Vitus Huonder, bispo de Chur, se expressava na Alemanha, Fulda, no Fórum Deutscher Katholiken. Como teve a desgraça de citar a Sagrada Escritura (Levítico, 18, 22 e, especialmente, Levítico 20, 13: Aquele que pecar com um homem, como se ele fosse uma mulher, ambos cometeram uma coisa execranda, sejam punidos de morte; o seu sangue caia sobre eles”), o bispo de Chur foi objeto de um “veredicto mediático”, ou seja, de uma campanha de pressão organizada por certos grupos de lobby homossexuais destacada pelos meios de comunicação e por várias figuras públicas. Por mais que Mons. Huonder tentasse acalmar os ânimos e esclarecesse que ele tinha citado uma dúzia de outras passagens das Escrituras tiradas do Antigo e Novo Testamento, que tinha tomado essencialmente o ensino do Catecismo e que, obviamente, não tinha a intenção de chamar ao assassinato dos homossexuais, nada conseguiu. O presidente do Partido Democrata Cristão, Christophe Darbellay, qualificou as palavras do bispo de Chur como “inaceitáveis”.

Pior ainda, a Conferência dos Bispos Suíços rejeitou rapidamente o seu colega de episcopado, que é objeto de uma denúncia junto aos tribunais e recebeu ameaças de morte. O Presidente desta Conferência, Dom Markus Büchel, bispo de São Galo, declarou alegrar-se:
de cada relacionamento em que os parceiros da união se aceitam mutuamente como filhos amados de Deus (sic).
E acrescentou:
Nossos conhecimentos atuais sobre a homossexualidade como um investimento afetivo e orientação sexual não escolhido livremente não eram conhecidos nos tempos bíblicos”.
De modo que hoje a Igreja tem o dever de acompanhar os homossexuais em seu modo de vida:
Um caminho no qual possam integrar a sua forma particular de relacionamento e sua sexualidade como um dom de Deus em sua vida” (sic).

Não se poderia preparar melhor o reconhecimento e a bênção deste tipo de união. Especialmente porque o Presidente da Conferência Episcopal acrescenta que a Igreja deve encontrar uma nova linguagem, adequada às situações e às pessoas (6)’’.

Finalmente, Mons. Charles Morerod, Bispo de Genebra, Lausanne e Friburgo, dizia ao jornal Le Temps, de 12 de Agosto de 2015, que “o fato de ser homossexual, especialmente sem escolha pessoal, não é um crime, nem um pecado”. E explicava que a maioria dos homossexuais descobriu-se como tais, sem vontade deliberada e, portanto, sem responsabilidade moral! Assim, a história recordará que foi necessário esperar até o século XXI para que os homens da Igreja tratassem de justificar teologicamente os comportamentos mais vergonhosos ou infames. Mons. Morerod afirma que a moral cristã não é praticável integralmente a não ser para aqueles que têm a fé, mas esquece de mencionar que, mesmo sem a fé todos os homens podem julgar a retidão de suas inclinações. O que aconteceu com a lei natural? A virtude da castidade, que é parte da virtude cardeal da temperança, não obriga a todos os homens dotados de razão?

O que vai acontecer no próximo Sínodo?
Por medo ou covardia, encorajados também – lamentavelmente – pelas palavras do Papa Francisco, que convidam a dar provas de acolhida e de misericórdia para com os homossexuais (“Se uma pessoa é gay (7) e busca ao Senhor com boa vontade, quem sou eu para julgá-la?” (8), subjugados pelo “espírito do Concílio”, que quis proclamar um novo humanismo centrado no culto ao homem e à pessoa (9), os homens da Igreja desprezam de agora em diante os deveres do próprio cargo. Parecem esquecer a existência da moral natural mais elementar, como se enquanto nossos contemporâneos não aceitam a fé fosse inútil pregar-lhes os bons costumes.

Além disso, como ensina São Paulo aos Romanos, sem a fé em Jesus Cristo, todos os homens estão em pecado e sob a ameaça da ira divina. O mundo atual, que rejeitou o seu Salvador, sua Lei de amor e os seus mandamentos, voltou a cair no paganismo mais vergonhoso, do qual o Apóstolo dos gentios não teme descrever como paixões de ignomínia:
Por isso Deus entregou-os a paixões de ignomínia. Efetivamente as suas próprias mulheres mudaram o uso natural em outro uso, que é contra a natureza, e, deste modo, também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam nos seus desejos mutuamente, cometendo homens com homens a torpeza e recebendo em si mesmos a paga que era devida ao seu desregramento” (Romanos 1, 26 – 27). (10)

Mas se são culpados aqueles que se entregam a isso, são ainda mais culpadosos que aprovam aos que fazem tais coisas(ibídem, 1, 32). Pois “Ai de vós os que ao mal chamais bem, e ao bem mal, que tomais as trevas por luz, e a luz por trevas” (Isaías, 5, 20). Possa o próximo Sínodo, sob a autoridade do Sumo Pontífice, dissipar a fumaça de Satanás que obscurece a luz da fé e da razão. 

Cristo disse em primeiro lugar aos pastores do rebanho:
Vós sois a luz do mundo. Não pode esconder-se uma cidade situada sobre um monte; nem se acende uma lucerna, e se põe debaixo do alqueire, mas sobre o candeeiro, a fim de que de luz a todos os que estão em casa” (Mateus 5, 14-15).

Padre Christian Thouvenot, FSSPX
Fonte: DICI.org – DICI nº. 320 de 09.11.15
  1. A destruição de Sodoma e Gomorra se narra no Livro do Gênesis, capítulos 18 y 19.
  2. Padre Dominique Prümmer, O.P.: “Manual de teología moral”, Herder, 1961, tomo I, núm. 360.
  3. Cfr. Gênesis, 19, 1-29; Romanos, I, 24-27; I Coríntios, 6, 9-10; I Timóteo, 1,10.
  4. Congregação para a Doutrina da Fe, declaração “Pessoa humana”, 29 de dezembro de 1975, núm. 8.
  5. En “La Lettre sur le Sillon”, 25 de agosto de 1910.
  6. Cat.ch – APIC, 9 de agosto de 2015.
  7. Palavra inglesa com que se refere a um homossexual.
  8. Conferencia de prensa del 28 de julio de 2013.
  9. “Nós também, nós mais que ninguém, temos o culto do homem”.
  10. “É um pecado gravíssimo e abominável diante de Deus e dos homens; rebaixa ao homem à condição dos animais sem razão, o arrasta a muitos outros pecados e vícios y acarreta os mais terríveis castigos nesta vida e na outra” (“Grande Catecismo de São Pio X”, Os mandamentos de Deus, Dominique Martin Morin, 1967, p. 97. 

Nenhum comentário: