Blog Catolicismo

Seja bem-vindo ao Blog Catolicismo

Este Blog se propõe a divulgar o catolicismo segundo princípios da Igreja Católica Apostólica Romana. Os criadores do Blog, não estão autorizados a falar em nome da Igreja, não são Sacerdotes e nem donos da verdade. Buscam apenas ser humildes e anônimos missionários na Internet. É também um espaço para postagem de orações, comentários e opiniões.
Defendemos a Igreja conservadora. Acreditamos em DEUS e nos entregamos nos braços de MARIA. Que DEUS nos ilumine e proteja.

Você é o Visitante nº desde 3 janeiro 2014

Flag Counter

AdSense

Seguidores = VOCÊS são um dos motivos para continuarmos nosso humilde trabalho de Evangelização

terça-feira, 23 de julho de 2013

Faltou planejamento no deslocamento do Papa pela centro do Rio e sua segurança ficou comprometida

Papa ficou vulnerável, especialistas apontam falta de planejamento e risco ao deixar Pontífice preso em um engarrafamento no Centro

Especialistas são unânimes em dizer que o Papa Francisco ficou vulnerável, exposto a riscos desnecessários. O fato de o carro do chefe da Igreja ficar preso no trânsito é considerado um erro grave pelas normas de segurança internacional de autoridades, explicou o coronel do Exército Diógenes Dantas, doutor em Aplicações e Planejamento de Segurança de Grandes Eventos. O consultor internacional de segurança Hugo Tisaka também afirmou que “uma autoridade não pode ficar presa no trânsito como o Pontífice ficou”. 
 
 Multidão se aproxima do veículo do Papa na Avenida Presidente Vargas - Agência O Globo

Segundo Dantas, cabe ao veículo da frente, chamado de carro varredura, desobstruir, com os batedores, o caminho da comitiva. Se houver imprevistos, como foi o caso, explica, é preciso prever uma rota de fuga. Com os ônibus ocupando uma pista e a multidão do outro lado, como visto na Avenida Presidente Vargas, o comboio deveria subir o canteiro, disse o consultor, improvisando rampas com madeiras, a fim de passar para a pista central, que estava livre. — Não sei se o motorista do carro varredura errou o caminho, mas o correto é, diante de imprevistos, criar uma alternativa rápida. A princípio, o comboio é uno, indivisível, e não para, principalmente quando a via é totalmente policiada. A desobstrução da via deve sempre ser pensada. O desembarque dos agentes de segurança foi correto, mas houve um ponto vulnerável na segurança do Papa. Isso tem de ser avaliado e consertado. Se houvesse um vândalo infiltrado entre os fiéis, ele poderia lançar uma pedra ou algo pior — disse Dantas, ressaltando que o risco seria maior se o roteiro tivesse sido previamente divulgado.

O tenente-coronel da reserva da PM do Rio Milton Corrêa da Costa também concorda que o Pontífice poderia ter sido vítima de um atentado: — O Papa Francisco, que se deslocava com o vidro do carro aberto, ficou em situação de vulnerabilidade, podendo ser vítima não só de um atentado a curtíssima distância como ficar ferido pelo ímpeto de um fiel mais afoito tentando tocá-lo.

Para Tisaka, o Papa ficou ficou em uma situação de risco desnecessária. Ele lembrou ainda a hipótese de ocorrer um acidente grave, devido ao fato de os fiéis se arriscarem entre os ônibus e os carros. Em sua opinião, houve um planejamento ou execução mal realizados. O plano B, no caso, outra rota, deveria ter sido colocado em prática ao se perceber que o trânsito poderia fechar em determinado ponto. — Lidar com multidões é muito complexo, ainda que seja um grupo que aparentemente não era hostil — disse Tisaka. — A princípio, me parece que faltou coordenação entre as partes envolvidas, com destaque para a CET-Rio, além de uma quantidade insuficiente de agentes.

A equipe de engenharia de trânsito do município também foi criticada pelo professor de Engenharia de Transporte da Coppe/UFRJ Paulo Cezar Ribeiro. Ele disse ainda que faltou comunicação da segurança que acompanha o Papa com o Centro de Operações da prefeitura: — Aquele engarrafamento na Avenida Presidente Vargas não surgiu de uma hora para outra. O Centro de Operações têm câmeras espalhadas pelo Centro e devia ter avisado para mudar a rota do Papa — explicou Ribeiro, ressaltando que o princípio de tumulto ocorrido revelou despreparo na operação do trânsito. — O que aconteceu foi perigoso demais e não podia ter acontecido. O Papa não pode ser exposto a um erro desses. Foi um problema de falta de engenharia de tráfego.

A mudança de trajeto em cima da hora, na opinião do professor da Coppe, exige que a segurança seja mais ágil e preparada, principalmente por ser um chefe de Estado tão popular como o Papa Francisco: — É preciso ter um planejamento maior, já que o Papa costuma quebrar o protocolo.

O planejamento do trânsito pela prefeitura também foi duramente criticado por Eva Vider, especialista em trânsito e professora da Escola Politécnica da UFRJ: — O roteiro do Papa foi mal planejado. Os pontos de interdições não funcionaram. É inconcebível que o Papa ou qualquer autoridade como ele, que necessite de um trajeto livre, fique preso em um engarrafamento.

Nenhum comentário: